Controle biológico de pragas mostra eficácia e reduz gastos com defensivos na lavoura do algodão

Compartilhar
Share on emailMande esta matéria por e-mailShare on printImprimir
Postada em: 30/08/2017

O uso do controle biológico nos sistemas de produção foi um dos temas em destaque no primeiro dia do 11º Congresso Brasileiro do Algodão (CBA), que teve início nesta terça-feira (dia 29/08), no Centro de Convenções de Maceió. O assunto foi abordado em um minicurso que focou especialmente na utilização do controle biológico nas lavouras de algodão do cerrado, principal região produtora do país. Promovido pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão, o 11º CBA segue até sexta (dia 01/09), com expectativa de reunir um público de 1,2 mil participantes.

 

Com 4h de duração, o minicurso foi ministrado por três renomados especialistas na área: Carlos Marcelo Soares, engenheiro agrônomo com pós-doutorado em Controle Microbiano de Inseto; Flávio Henrique.Medeiros, professor de  fitopatologia e orientador do programa de pós-graduação em agronomia/fitopatologia da Universidade Federal de Lavras, e  Rose Monnerat,  pesquisadora  da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, onde coordena o Centro de Recursos Biológicos de Agentes de Controle Biológico, o Laboratório de Bactérias Entomopatogênicas e a Plataforma de Criação de Insetos.

 

Cada vez mais disseminado entre as modernas técnicas de manejo de culturas, o controle biológico tem como objetivo reduzir os prejuízos causados pelas pragas agrícolas e os insetos transmissores de doenças, a partir do uso de seus inimigos naturais. Na fauna e na flora brasileira, existem espécies, como bactérias, fungos e insetos que podem atuar de forma muito eficiente para otimizar a defesa das lavouras.

 

“O objetivo do minicurso é mostrar as novas tecnologias desenvolvidas nessa área e como elas estão sendo utilizadas”, explica Rose Monnerat. Ela ressalta que hoje as pragas estão disseminadas em lavouras de todo o país.  Nesse contexto, o uso do controle biológico pode se traduzir em grandes vantagens financeiras para o produtor e representa ganhos inestimáveis para o meio ambiente, pois reduz o impacto da utilização dos defensivos tradicionais.  

 

Algumas estimativas mostram que, no caso do algodão, é possível reduzir em até 50% os gastos com uso de defensivos, utilizando agentes biológicos. Com base nisso, a técnica pode levar a uma grande economia, já que a aplicação de defensivos significa cerca de 40% dos gastos com a produção.

 

Um exemplo dessa eficácia é o uso do Trichogramma, também conhecido como vespinha, para controlar os ovos das pragas. Ele atua como um parasita, pondo seus ovos nas lagartas, impedindo desta forma que elas se reproduzam e causem os danos às plantas. O uso de tecnologias como os drones potencializa o controle biológico, por permitir uma ação “cirúrgica” da sua aplicação, garantindo que as áreas  ameaçadas da lavoura sejam  rapidamente protegidas.

 

A pesquisadora da Embrapa destacou que, quanto mais se investir na criação de biofábricas, menor será o custo do produtor para aderir às novas tecnologias com base no controle biológico. 

 

O tema será também abordado em uma sala temática do CBA que acontecerá na quinta-feira (dia 31), das 14h30 às 16h, com a participação de dois palestrantes do minicurso, Rose Monnerat e Carlos Marcelo Gomes, além do engenheiro agrônomo e diretor Executivo da Associação Mineira dos Produtores de Algodão, Lício Augusto Pena Sairre.


Números do 11° CBA:

 

Público: 1,2 mil participantes

Palestrantes: 84

Palestrantes internacionais: 7

Conferências plenárias: 15

Minicursos: 06

 

 

 

Serviço

 

 

O quê: Congresso Brasileiro do Algodão

Onde: Pavilhão de Exposições do Centro de Convenções de Maceió/AL

Quando: de 29 de agosto a 1° de setembro de 2017

Quem realiza: Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) 

 

 

 29/08/2017

Imprensa Abrapa/ CBA

Catarina Guedes

(71) 98881-8064

(77) 98802-0684