Cotonicultores da África e da América Latina debaterão oportunidades da cooperação no 11° CBA

Compartilhar
Share on emailMande esta matéria por e-mailShare on printImprimir
Postada em: 21/08/2017

Produtores e pesquisadores de algodão de países da África e da América Latina, com os quais o Brasil mantém um acordo de cooperação técnica, através da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), participarão, entre os dias 29 de agosto e 1° de setembro, de uma intensa agenda de discussões e minicursos na programação do 11° Congresso Brasileiro do Algodão (11° CBA), que acontecerá no Pavilhão de Exposições do Centro de Convenções de Maceió/AL. Entre os 36 participantes vindos da América Latina e os 32 oriundos da África, estarão presentes também representantes de governos de alguns desses países. O 11° CBA, realizado pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), é uma oportunidade para que os parceiros da cooperação brasileira troquem experiências e reforcem laços de solidariedade para o desenvolvimento da cultura do algodão e, consequentemente, econômico e social nos, aproximadamente, 20 países envolvidos.

 

Durante a programação, serão abordados os desafios e oportunidades da cooperação Sul-Sul na cadeia de valor do algodão na África e América Latina. O acordo de cooperação técnica aplica recursos do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA), com os quais foi possível, somente entre os anos de 2014 e 2016, capacitar em torno de 4,5 mil pessoas em 12 países da África e oito da América do Sul.

 

Segundo o embaixador João Almino, diretor da ABC, órgão ligado ao Ministério das Relações Exteriores (MRE), o fortalecimento da cadeia produtiva do algodão nos países cooperantes é o objetivo do acordo, que, nesse sentido, se estende a frentes como a promoção do trabalho decente. "São ações importantes para aqueles países e para o Brasil. Um exemplo é o que aprendemos no campo fitotécnico. No combate e controle de pragas que ainda não existem por aqui, mas que, eventualmente, podem migrar, e, dessa forma, podemos nos preparar. Outro ganho é no acesso a novos materiais genéticos, que promove a diversificação nas lavouras brasileiras", explica o embaixador. Ainda segundo o diretor da ABC, as discussões multilaterais e os vínculos que o Brasil estabelece com esses países são de grande relevância política, e também colaboram para o incremento do consumo de algodão. "Enfatizamos o uso das fibras naturais ante as sintéticas, e isso se reflete em toda a cadeia produtiva", afirma.

 

Para o presidente da Abrapa, Arlindo de Azevedo Moura, a vinda das lideranças dos países integrantes do acordo de cooperação para participar do 11° Congresso Brasileiro do Algodão cria uma oportunidade de benchmarking  muito salutar, seja no âmbito agronômico, político, social ou econômico. "O Brasil é uma liderança no bloco da América do Sul, e, sem dúvida, um player importante no mundo. Abrir-nos à discussão e à solidariedade sempre pode contribuir para o nosso aprimoramento. Cooperação é sempre uma via de mão dupla", conclui Arlindo Moura.

 

 

21 de agosto de 2017

Imprensa Abrapa/ CBA

Catarina Guedes - Assessora de Imprensa

(71) 98881-8064 e (77) 98802-0684

catarinaguedes@agripress.com.br