Área plantada de algodão será de 10 cidades de São Paulo na próxima safra

Postada em: 14/12/2021


Abrapa na Mídia

 

Área plantada de algodão será de 10 cidades de São Paulo na próxima safra

 

A área plantada com algodão no Brasil na próxima safra de 2021/2022 deve alcançar 1,55 milhão de hectares, um aumento de 13,5% em relação à safra anterior, apontou a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa). Essa área corresponde a 10 vezes o tamanho da cidade de São Paulo. O volume projetado é de 2,71 milhões de toneladas, o que representa um aumento de 16,5% sobre a safra 2020/2021. Os dados foram com compilados pela Abrapa e pela Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Algodão e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (CSAD/MAPA), com informações das associações estaduais.

 

Conforme as estatísticas, Mato Grosso continua sendo o estado que mais produz algodão no país, com a previsão de uma colheita de 1,89 milhão de toneladas, seguido pela Bahia, com 563 mil toneladas, e onde 35% da área a nova safra já está plantada.

 

De acordo com o presidente da Abrapa, Julio Cézar Busato, 60% da safra 2021/2022 de algodão já foi comercializada. Mesmo antes da colheita, os produtores já vendem o produto, com preços fixados na bolsa de valores. No dia 2 de dezembro, 100% da safra 2020/2021 já havia sido colhida e beneficiada para a venda, que também já havia sido garantida no ano passado.

 

"Para a próxima safra [2021/2022], os insumos, que eram a grande preocupação que eram a grande preocupação, já foram comprados e o plantio está seguindo bem, dentro da janela de plantio ideal", disse. Janela de plantio é o período mais adequado para a semeadura das lavouras. Como em 2021 está chovendo bastante nas principais áreas produtivas, os agricultores não precisaram esperar as chuvas, como ocorreu no ano passado, ou adiar o plantio esperando o tempo mais firme.

 

Segundo Busato, na última safra houve um recorde de adesão de produtores à certificação Algodão Brasileiro Responsável (ABR): 84,2% da pluma produzida na temporada, o equivalente a 1,96 milhão de toneladas, recebeu a certificação e o licenciamento pela Better Cotton, pela adoção de boas práticas ambientais. A média de produtividade das fazendas certificadas foi 6% maior que a média brasileira (1.707 quilos por hectare).

 

Custos serão os mais altos da história

 

Nesta quarta-feira, 8, João Martins, presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), disse em entrevista coletiva, que apesar da projeção da safra 2021/2022 ser a maior, com 289 milhões de toneladas (14% acima da safra passada), os custos de produção também devem ser os mais altos já registrados, devido a alta nos custos com insumos.

 

De acordo com ele, em 2021 o produtor rural testemunhou aumentos de mais de 100% nos custos com fertilizantes e defensivos para culturas como soja, milho e algodão, e em 2022, o cenário deve ser o mesmo. "A alta dos custos de produção deve achatar a margem de lucro do produtor rural de uma maneira geral", disse.

 

Custos como os insumos (fertilizantes, defensivos e máquinas), bem como energia elétrica, combustíveis e logística devem permear o setor em 2022. Na coletiva a CNA projetou que, em 2022, o PIB do agronegócio deve ter um ritmo de crescimento menor, entre 3% e 5% em relação a 2021, que deve encerrar o ano com o PIB de 9,37% em relação a 2020.

 

https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2021/12/09/area-plantada-do-algodao-sera-de-10-cidades-de-sao-paulo-na-proxima-safra.htm

 

UOL – 09.12.2021