Cinco anos de Sou de Algodão: novidade mais recente

Postada em: 29/10/2021


​No dia 26 de outubro, o Movimento Sou de Algodão, iniciativa da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) e do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA), completou cinco anos, mobilizando toda a cadeia, do produtor ao consumidor final, com o propósito de promover o consumo consciente da moda por meio da valorização de uma fibra democrática, inclusiva e produzida de forma responsável no Brasil. Ao longo desta semana, falamos sobre os diferentes aspectos do Movimento. Encerramos esta maratona comemorativa apresentando o recém lançado programa SouABR, que oferece rastreabilidade completa da cadeia têxtil, da semente ao guarda-roupa.


Transparência e rastreabilidade é uma demanda do consumidor 
 
O Brasil é o maior fornecedor de algodão com certificação socioambiental do mundo, e atualmente, 81% de toda a produção é certificado pelo programa Algodão Brasileiro Responsável (ABR), que atesta que a fibra foi cultivada atendendo a 178 itens de autenticação, distribuídos em 8 critérios: contrato de trabalho, proibição do trabalho infantil, proibição de trabalho análogo a escravo ou em condições degradantes ou indignas, liberdade de associação sindical, proibição de discriminação de pessoas, segurança, saúde ocupacional, meio ambiente do trabalho, desempenho ambiental e boas práticas.
 
Com o objetivo de tornar essas informações mais acessíveis ao consumidor, a Abrapa se juntou às varejistas Reserva e Renner e lançou, em 7 de outubro, o SouABR, o primeiro programa de rastreabilidade por blockchain da indústria têxtil do Brasil. Nele, é possível conhecer a cadeia de fornecedores das marcas, comprovando a origem responsável da matéria prima, presente na peça de roupa, por meio da leitura de um QR code, impresso na tag do produto.
 
"A preferência por algodão certificado e rastreável demonstra um compromisso não apenas com a qualidade dos produtos, mas com todo um cenário de responsabilidade socioambiental e transparência na indústria têxtil. Trabalhar em prol de um impacto cada vez mais positivo, garantindo relações de trabalho justas e produção responsável, é crucial para nos mantermos de pé como uma marca adequada ao nosso tempo”, explica Fernando Sigal, sócio fundador da Reserva. 
 
Para Eduardo Ferlauto, gerente geral de Sustentabilidade da Lojas Renner, o programa demonstra a importância de toda a cadeia ser cada vez mais transparente. “Este projeto em parceria com a Abrapa e a Reserva mostra como é possível conciliar moda, sustentabilidade e tecnologia com o propósito de que essa indústria seja cada vez mais transparente. Estamos muito orgulhosos de fazer parte dessa construção pioneira, que permite dar maior transparência a todo o processo envolvido na produção das roupas, provando que antes mesmo de chegar no guarda-roupa das pessoas, as peças já têm sua própria história", afirma Ferlauto.