Reserva insere QR code nas peças para destrinchar cadeia de produção do algodão utilizado

Postada em: 14/10/2021


Abrapa na mídia​

A Reserva inaugura nesta quinta-feira (7/10) um novo capítulo na transparência da indústria nacional da moda. A partir de agora, todas as peças vendidas pela marca virão com um QR Code que mostrará a origem do algodão e de toda a matéria-prima utilizada para a confecção dos itens. A grife do Grupo AR&Co é a primeira a integrar o programa Sou de Algodão Brasileiro Responsável (SouABR), da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), que rastreia a origem do algodão responsável. 


O lançamento acontece no Dia Mundial do Algodão. “Agora, todos os nossos clientes terão peças totalmente rastreáveis da semente ao guarda-roupa”, afirma Rony Meisler, CEO da AR&Co. A cadeia de fornecedores que participam do SouABR junto à Reserva são: Fiação Fio Puro e Incofios, na parte de fiações; as tecelagens RenauxView e Vicunha; Dalila Têxtil, com a malharia; ByCotton, EGM e Lavinorte, nas confecções


Os dados sobre a produção da peça serão armazenados com tecnologia blockchain – que registra informações em blocos criptografáveis interligados entre si e que impedem alterações.

Para se certificar na SouABR, as empresas devem cumprir 178 requisitos, em oito esferas, como contrato e condições de trabalho em toda a cadeia produtiva, inclusive de fornecedores, desempenho ambiental e boas práticas agrícolas. 


"Diante de novas demandas de consumo, o mundo vem encarando diferentes modelos de produção que, muitas vezes, impactam negativamente no meio ambiente e em questões humanitárias. Quando falamos em rastreabilidade e algodão responsável, estamos garantindo que aquela peça de roupa que você acabou de comprar respeita melhores práticas ambientais e sociais em toda a cadeia produtiva", afirma Meisler.


Dados da Abrapa mostram que o Brasil é o quarto maior produtor e o segundo maior exportador de algodão do mundo. A safra varia de dois a três milhões de toneladas por ano, e atende 100% da demanda da indústria têxtil nacional – exceto em casos específicos de variedades da fibra que não são cultivadas em solo nacional. 

"O programa de rastreabilidade SouABR, que envolve a cadeia da moda, é um sonho antigo. Investimos mais de 15 anos em melhores práticas, para oferecer ao mercado uma fibra de qualidade, produzida com responsabilidade socioambiental, e sempre quisemos que o consumidor conhecesse quem nós somos e como cultivamos o algodão que ele veste", diz Júlio Cézar Busato, presidente da Abrapa.