Preço mínimo do algodão está abaixo do custo de produção, diz Abrapa

Postada em: 02/07/2021


O novo preço mínimo do algodão está abaixo do custo de produção, afirma a Associação Brasileira dos Produtores da fibra (Abrapa), em nota divulgada na quinta-feira (1/7), após reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Algodão e Derivados, do Ministério da Agricultura (Mapa). De acordo com a entidade, o valor foi elevado em 6,5% para R$ 82,60 por arroba. O setor pleiteava R$ 92 por arroba. “Não é o que gostaríamos, mas é o que é possível no momento”, avalia Júlio Busato, presidente da Abrapa, na nota. “No ano que vem, vamos tentar chegar mais próximos do que realmente é o preço mínimo, caso a gente tenha que usar isso no futuro”, diz.

Segundo a Associação, o preço mínimo anterior, referente ao Plano Safra 2020/2021, era de R$ 77,45 por arroba. O novo valor proposto levou em consideração o custo médio de produção calculado com base em seis estados produtores: Bahia, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piauí e São Paulo, a partir de uma metodologia que leva em conta apenas o desembolso do produtor ao longo do ciclo agrícola.

Safra e exportações

A Abrapa informa ainda, na nota, que, durante a reunião da Câmara Setorial, foi apresentado um panorama da produção da safra 2020/2021, que está em colheita. De acordo com a entidade, a previsão é de um volume de 2,45 milhões de toneladas de pluma, em uma área plantada de 1,369 milhão de hectares. A redução é de 18% em volume é área, em comparação com o ciclo anterior.
Já as exportações de algodão do Brasil somaram 2,32 milhões de toneladas entre julho de 2020 e maio de 2021, conforme dados apresentados pela Anea, que reúne os exportadores. A expectativa é fechar o balanço do ciclo agrícola 2020/2021 com embarques de 2,4 milhões de toneladas, o que seria um novo recorde. Só entre novembro e dezembro de 2020, foram exportadas 700 mil toneladas.

Já para a próxima temporada, a previsão da Anea é do Brasil embarcar 1,9 milhão de toneladas de algodão para o mercado externo. O cenário, na avaliação da entidade é de recuperação do consumo em diversos países, o que tem refletido e uma manutenção dos preços em níveis superiores a US$ 0,85 por libra-peso.
 
REDAÇÃO GLOBO RURAL - 02 JUL 2021