SBRHVI promove workshop sobre climatização de laboratórios

Postada em: 10/03/2021


Atender aos rígidos padrões internacionais de climatização é um dos maiores desafios dos laboratórios responsáveis pela análise de qualidade da fibra de algodão produzida no Brasil. Para aprimorar conhecimentos e padronizar processos, a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão, Abrapa, promoveu um workshop virtual sobre controle e monitoramento de temperatura e umidade em salas climatizadas.

 

O treinamento contínuo é um dos pilares do programa Standard Brasil HVI, cujo objetivo é assegurar a confiabilidade das análises de High Volume Instrument (HVI) feitas por 11 laboratórios espalhados pelo país. "O primeiro item para uma boa análise, e o mais difícil no mundo todo, é manter o padrão de climatização de 21 graus de temperatura e 65% de umidade", destaca o gestor do programa de Qualidade da Abrapa, Edson Mizogushi. "Hoje temos muito mais precisão do que no passado", afirma.

 

No primeiro treinamento de 2021, a Contemp - fabricante de instrumentos e sensores para processos industriais – apresentou melhorias nos sistemas e novas tendências para centrais de climatização. O engenheiro Bruno Macedo mostrou as novidades e esclareceu dúvidas sobre sensores de temperatura e umidade de alta precisão, controladores e software de monitoramento utilizados nas salas de análise de algodão.

 

O workshop contou com a participação de 36 profissionais dos laboratórios participantes do programa SBRHVI, vinculados à Abapa, Agopa, Ampasul, Petrovina, Cooami, Cooperfibra, Kuhlmann, Minas Cotton e Unicotton. Anicézio Resende, gerente da Minas Cotton, considera os treinamentos do SBRHVI essenciais para a melhoria das análises de classificação instrumental do algodão brasileiro. "Nosso maior desafio é encontrar o equilíbrio entre temperatura e umidade e, simultaneamente, economizar energia, que é o principal custo dos laboratórios", pontua. "Workshops como esse são de suma importância, pois permitem o sincronismo dos laboratórios. Aprendemos uns com os outros e o país ganha em qualidade das análises de classificação", complementa Resende.  

 

O SBRHVI

 

O programa Standard Brasil HVI (SBRHVI) foi lançado pela Abrapa em 2016, como um compromisso com a transparência e a credibilidade das análises de qualidade da fibra feitas no Brasil. Para cumprir com seu objetivo, conta com um moderno e bem equipado laboratório central em Brasília – o Centro Brasileiro de Referência em Análise de Algodão (CBRA) -, responsável pela parametrização da classificação, padronização dos processos de análise e checagem dos resultados no país.

 

O programa engloba visitas técnicas, suporte e treinamento para os laboratórios que atendem aos cotonicultores brasileiros. Um Banco de Dados da Qualidade do Algodão Brasileiro completa a estrutura do SBRHVI.