Boletim de Inteligência de Mercado Abrapa com as principais notícias do mundo do algodão

Postada em: 16/10/2020


Algodão em NY - Esta semana, no retorno do feriadão Chinês, a bolsa local (ZCE) subiu 14%, mostrando a força da recuperação econômica do gigante Asiático.  O contrato dez/20 em NY fechou ontem a 69,22 U$c/lp, com alta de 2,6% nos últimos 7 dias, maior valor desde 21/Fev.

Altistas - O setor têxtil da China está em ritmo acelerado. É o que mostra o relatório desta semana da Cotton China.  As fiações estão trabalhando a plena capacidade e não pararam durante o feriado. A demanda está vindo tanto do mercado interno quanto de exportação. Muitas indústrias já venderam toda sua capacidade até o final do ano.

 Altistas 2 - O diferencial de preços entre o algodão importado e o doméstico está crescendo ainda mais em favor das importações na China.  Ou seja, está mais barato importar algodão do que comprar internamente no país. Entretanto, a cota adicional prometida pelo governo ainda não chegou aos compradores, mas é esperada em breve.

 Altistas 3 - Os dados semanais de progresso da safra do USDA divulgados nesta terça-feira mostraram que 26% do algodão foi colhido nos EUA na semana encerrada em 11/out, 17% na semana anterior.  No entanto, o relatório também mostrou que apenas 40% do algodão estava em boas/excelentes condições, inalterado em relação à semana anterior.  Além disso, o mercado ainda está tentando avaliar as reais perdas causadas pelos furacões que atingiram as regiões produtoras.

Baixistas – As notícias de uma segunda onda de COVID-19 na Europa estão deixando os mercados apreensivos. Essa incerteza fez com que as ações europeias caíssem drasticamente, o que se espalhou para as bolsas de valores dos EUA.

Baixistas 2 – Voltando ao algodão, os números do relatório de outubro do USDA, divulgados semana passada, mostraram pouca mudança em relação a setembro.  Vale destacar que a relação estoque/uso prevista para o final deste ano comercial (20/21) no último relatório caiu de 92% para 88,5%.  Mesmo assim, este número ainda é visto como baixista pela maioria dos analistas.

Safra EUA – Ainda sobre o relatório de outubro do USDA, importante destacar que houve surpresa geral no mercado com os números praticamente inalterados para a safra do país, mesmo após os significativos problemas climáticos enfrentados.   É esperado um ajuste dos números no relatório que sai 10/nov, entretanto.

China - Enquanto a Europa vive momentos de apreensão com uma segunda onda de Covid-19, na China, com o controle precoce da doença, a economia já retornou aos níveis pré-pandemia.

Turquia - Com a safra nova sendo colhida no país, compradores no momento estão esperando para ver como a safra irá performar para retomar as compras internacionais.  Estima-se que os Turcos já compraram 100 mil toneladas de algodão brasileiro desta safra.

 Austrália - Segundo a imprensa australiana, fiações chinesas estão sendo instruídas a parar de comprar algodão do país, à medida que crescem as especulações de que uma tarifa está prestes a ser aplicada.  Acrescentam que o algodão australiano pode enfrentar tarifas de até 40% devido às tensões políticas entre os países.

Beneficiamento - A Abrapa informou o progresso do beneficiamento da safra 2019/20 de algodão no Brasil até ontem: Mato Grosso: 65%; Bahia: 80%; Goiás: 81%; Minas Gerais: 78%; Mato Grosso do Sul: 100%; Maranhão: 49%; Piauí: 88%; São Paulo: 100%; Tocantins: 80% e Paraná: 100%. Média Brasil: 70% beneficiado.

Exportações - Excelente início de mês com exportações nos primeiros 7 dias úteis de outubro em 82,2 mil toneladas.  Ano passado em outubro foram exportadas 288 mil toneladas e este ano o número precisa ser maior.

Preços - A tabela abaixo ⬇ mostra os últimos movimentos de preços, índices e câmbio que impactam o mercado de algodão.

tabela 16.10.jpeg