Abrapa sedia Câmara Setorial e reúne executivos das estaduais

Compartilhar
Share on emailMande esta matéria por e-mailShare on printImprimir
Postada em: 24/03/2016

Nesta quarta-feira (23), a Abrapa recebeu em sua sede a 42ª reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Algodão e Derivados. O presidente da Abrapa, João Carlos Jacobsen Rodrigues, esteve presente, assim como representantes das associações estaduais dos produtores de algodão, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e de outros atores do setor. “Esses encontros que servem para balanço e previsão das safras são importantes para o setor. Aqui discutimos a situação da produção em cada estado e pedimos sugestões e comentários dos representantes”, revela Jacobsen que também é presidente da Câmara constituída por 30 representantes de órgãos e entidades ligados ao setor.

_MG_9594.jpg

Na ocasião, os representantes das estaduais fizeram um breve resumo do andamento da safra 2015/2016 expondo sobre a situação das chuvas em seus estados, o controle de pragas, como o bicudo e o percevejo, e algumas previsões para as colheitas que se iniciam em abril. O tema de seguro rural ganhou destaque na reunião, já que 40% dos custos de produção estão descobertos e sem garantias de seguro rural e preço mínimo. “É muito importante que tenhamos um seguro próprio para a produção. O preço mínimo precisa ser corrigido de forma regular, não podemos abandonar o que deu certo no passado e cair de cabeça em novas propostas. A política agrícola no Brasil deve fazer um novo realinhamento dos preços mínimos com a nova realidade cambial e de custos do país”, destacou Décio Tocantins, diretor executivo da AMPA ( Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão). 

Após discussões acerca da retirada do seguro extra teto, representante da ABIT (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção), Renato Jardim,  mostrou os números e previsões da indústria para este ano. Já o representante da GS1 (Associação Brasileira de Automação), Marcelo Sá, trouxe uma breve explicação sobre as iniciativas desenvolvidas pela Abrapa com o sistema SAI, a padronização e rastreabilidade dos fardos de algodão, fazendo com que o grupo discutisse acerca das questões de qualidade da fibra em várias esferas.

Centro de Referência

Em seguida as atividades na sede da Abrapa, o grupo de executivos seguiu para uma visita técnica às instalações do novo Centro de Referência de Classificação de Algodão (CRCA). O Centro de Referência é parte do programa Standard Brasil HVI e será responsável por reanalisar até 2% das amostras já analisadas pelos laboratórios credenciados a prestarem serviços aos produtores, na safra 2016/2017. O complexo do novo Centro de Referência terá cerca de 2 mil metros quadrados e tem previsão de entrega para outubro de 2016.

3.jpg