Sustentabilidade e moda em evidência no Dia do Algodão, em Goiás.

Compartilhar
Share on emailMande esta matéria por e-mailShare on printImprimir
Postada em: 02/07/2018

O presidente da Abrapa, Arlindo de Azevedo Moura, e o diretor executivo da entidade, Marcio Portocarrero, participaram nesta sexta-feira, 29/06, da 15ª edição do Dia do Algodão, realizado pela Associação Goiana dos Produtores de Algodão (Agopa), na sede do Instituto Goiano da Agricultura (IGA), em Montividiu/GO. 

“Tecnologias para Sustentabilidade” foi o tema do evento, que destacou, entre as atrações agronômicas e científicas, um espaço para o movimento Sou de Algodão e as parcerias da iniciativa, que fomenta o consumo da fibra no mercado interno, através de ações de esclarecimento voltadas para o consumidor final.  

Além dos estandes do circuito técnico, que expuseram o que há de mais avançado em tecnologias para a cotonicultura, o público presente conferiu a coleção conceitual produzida em algodão pelos alunos do curso de moda da faculdade Estácio de Sá, de Goiânia, lançada no início de junho, durante o 5º Estácio Fashion Design. “A presença do Sou de Algodão gerou muito interesse, e o desfile dos alunos da Estácio chamou atenção por sair totalmente do script de eventos como dias de campo, o que foi muito interessante”, afirmou Manami Torres, da Markestrat, consultoria responsável pelo plano estratégico da iniciativa da Abrapa.


Bom momento

Na safra 2017/ 2018, a área plantada em Goiás cresceu 23%, subindo de 26,5 mil hectares para 32,67 mil hectares. A colheita avança no estado, com produção total de algodão em pluma estimada em 54,5 mil toneladas. “Como sempre, o Dia do Algodão surpreende pela organização e pela qualidade técnica. O estado, assim como o país, vive um momento muito positivo na cotonicultura, e isso se reflete no engajamento do público que vimos aqui”, afirmou Arlindo Moura. 
O presidente da Agopa, Carlos Moresco, disse que o sucesso do Dia do Algodão em 2018 resultou de um ano de trabalho da Agopa junto ao Instituto Goiano de Agricultura. “Mais que isso, contudo, ele é o reflexo de oito anos de luta para recuperar a cultura do algodão em nosso estado, cuja área, recentemente, vem crescendo após safras de retração”, concluiu Moresco.