Abrapa, Agopa e Sou de Algodão apoiam 5º Estácio Fashion Design

Compartilhar
Share on emailMande esta matéria por e-mailShare on printImprimir
Postada em: 25/06/2018

Na noite de terça-feira, 19/06, alunos e professores do curso de moda da faculdade Estácio de Sá de Goiânia organizaram o 5º Estácio Fashion Design no Mega Moda Shopping. O desfile apoiado pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), Associação Goiana de Produtores de Algodão (Agopa) e o movimento Sou de Algodão teve como tema central “A Saga do Algodão“, onde os alunos apresentaram suas peças de vestuário produzidas a partir da fibra natural. Na abertura do evento foi promovida uma mesa redonda com a participação de Carlos Alberto Moresco, presidente da Agopa, André Franco, superintendente de Economia Criativa e Solidária do Estado de Goiás, Walério Araújo, estilista homenageado pelos estudantes e Suely Calafiori, coordenadora do Projeto de Extensão em Design de Moda da Estácio e mediadora do bate-papo.
 
Moresco abriu a conversa em torno dos diversos setores da cadeia produtiva do algodão e apresentou ao público os avanços brasileiros para uma produção cada vez mais sustentável. “No Brasil, 78% do algodão produzido é certificado ABR e 69% dele tem licença internacional BCI, e, em Goiás, 100% dos produtores são certificados pelo Programa Algodão Brasileiro Responsável (ABR). Hoje podemos ficar tranquilos em relação ao uso da pluma, pois estamos também garantindo relações justas de trabalho e a preservação do meio ambiente, comprovados por meio da certificação anual que é feita nas propriedades”.

Sobre o Sou de Algodão, Moresco complementou: “o movimento vem para mostrar para a população o quão importante é o uso da fibra natural, produzida dentro dos conceitos de produção sustentável e esclarece que, quando esse fio natural é utilizado, toda a cadeia produtiva é incentivada”. 
 
O algodão e a moda se enquadram no que o superintendente para Economia Criativa e Solidária, André Franco, considera como inovadora. “É a economia do século 21, mais resistente a crises econômicas. Estamos finalizando um estudo sobre o PIB criativo de Goiás e os valores são surpreendentes”, comemora.
O homenageado, e destaque da noite, o estilista Walério Araújo, inspirou os alunos com sua trajetória na moda brasileira. “Cada aluno criou uma peça inspirada na minha trajetória, este é o desafio, sobretudo porque utilizou materiais em algodão. Existe um preconceito com os tecidos em algodão, das pessoas acharem que a roupa não pode ser glamorosa, mas pode ser sim. Vai na modelagem, vai na estrutura e pode ser criado algo ainda mais bonito do que já é associado ao glamour. O algodão é, sim, glamoroso e é um tecido extremamente atemporal”, posicionou.
 
Após a mesa redonda com representantes da moda, da cotonicultura e do Poder Público, foi a vez de conferir a produção dos alunos de Design de Moda. As peças continham, no mínimo, 80% de sua composição em algodão, mas muitos figurinos foram totalmente feitos a partir da fibra natural. É o caso da aluna Letícia Moraes, que se envolveu com a proposta do desfile para construir sua própria identidade: “Entender a Saga do Algodão foi importante para minha formação profissional e criativa”, disse.
 
Mateus Zuppa também produziu peças e participou da organização do desfile. O aluno não encontrou dificuldade para trabalhar com algodão. “Eu havia usado algodão em outros desfiles. A diferença agora foi que a escolha do tecido antecedeu a criação da peça. Para a coordenadora do Projeto de Extensão em Design de Moda da Estácio, Suely Calafiori, os alunos foram a fundo na pesquisa do algodão, das origens às possibilidades de uso na moda. “Quando entenderam a importância de ser sustentável, o trabalho deles mudou”, resumiu.
 
 
Sobre o “Sou de Algodão”

Sou de Algodão” é um movimento que incentiva o uso desta fibra natural, essencial na moda e no bem-estar do brasileiro, e tem como objetivo conscientizar o consumidor final sobre os benefícios da matéria-prima e as práticas responsáveis da cotonicultura. É uma iniciativa da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) e do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA).
 
 
Informações à imprensa Index- Estratégias de Comunicação
(11) 3061-0800